sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

Violência: Deus nos proteja!

Ilustração retirada daqui
Penso que estou ficando neurótica. Neurótica e assustada. Penso que não deveria mais assistir aos noticiários da TV. Eles estão me fazendo um grande mal. Já não ando pelas ruas despreocupadamente. Fico apreensiva quando vou ao banco. Já não quero ir a determinados lugares onde se concentram muitas pessoas.

Tanta violência, tanta crueldade, tanta falta de respeito e nenhuma atitude para mudar esse triste cenário.

No Maranhão, farta distribuição de socos e tapas durante a sessão na Câmara de Vereadores.
A cena de policiais espancando um participante da manifestação contra o aumento da passagem de ônibus em São Paulo chocou e me encheu de indignação, afinal, a polícia deveria correr atrás de bandido e não bater em pessoas que lutam por seus direitos.

O corpo da jovem Vanessa (25) foi encontrado por parentes e amigos no dia seguinte ao seu desaparecimento, em um matagal perto da Rodovia Raposo Tavares em São Paulo. Morta com requintes de crueldade, foi torturada e violentada. Meu Deus, como ela deve ter sofrido! Parece que ouço seus gritos sufocados por um absorvente. O casal desaparecido que foi levado por bandidos de dentro de casa após matarem a empregada da família. Quem não teve um parente ou amigo que foi vítima de assaltado, ou que levou um tiro? Semana passada o aprendiz que trabalha comigo foi baleado quando voltava de um show na praia. Nessa mesma noite, no mesmo show, uma colega de trabalho teve objetos furtados de dentro do carro.

O que parecia uma coisa distante [só acontece com os outros, leia-se desconhecidos] está cada vez mais perto de nós. A violência só faz crescer e vem se aproximando com uma velocidade assustadora. E fica a pergunta: como fazer para que ela passe bem longe de nós? O bom seria se passasse bem longe de todos. Melhor seria se não existisse. Pesquisa divulgada pelo IBGE no final de 2010, aponta que 12 milhões de brasileiros foram vítimas de furtos ou roubos nos últimos 12 meses. Temo por mim, por você, pelos meus familiares e pelos meus amigos. Deus nos proteja!

6 comentários. Para comentar clique aqui!:

Alexandre Mauj Imamura Gonzalez disse...

Eu entendo o seu sentimento, Lili.
agora mais do que nunca.
eu não gosto de comparar lugar nenhum. não vou escrever com essa finalidade. apenas vou expor uma condição diferente, que encontrei na vida.

Aqui, onde moro, faço compras e não tranco o carro. pra não ter que abrir com as sacolas. do jeito q largo o carro, ele fica. minha casa só tem um tranquinho q parece de banheiro e não sinto medo ao andar nas ruas.
eu vim de SP, lá eu me sentia na guerra. o medo é opressor demais, a gente sempre se sente tolhido. e porque tanta violência?
tanta coisa boa no Brasil, um país bom... ninguém merece isso não.

Dricka disse...

Oi Lili, hoje não tô num dia legal e ler o seu post me deu uma angustia...eu já quase não vejo jornal por conta disso. Não suporto tanta desgraça!
Beijos!

Ise disse...

Bom dia minha linda
Sabe quem vejo jornal
a violência está tanto aqui no sul,em Curitiba
que nem vejo nada
assim durmo em Paz
bjux

Andrea Aoki disse...

Oi Lili, afeee nem fale, a gente liga a TV no noticiário e é só isso que vemos, só por Deus mesmo! No Japão era tão diferente, as pessoas nem grades tem na janela, andavam a noite na rua numa boa, os carros ficavam abertos, tudo tão diferente do q é aqui... é triste mesmo!

E q bom q vc tb está no desafio :) Vamos tentar ficar firmes esses 10 dias para dar uma animada nessa RA, boa sorte, bjus =**

Cacau disse...

Oi Lili, adorei seu blog. Vou te seguir. bjsss

Mi disse...

Olá Lili, eu também achava que a violência era coisa que só acontece com os outros, mas aí na noite do dia dos namorados de 2008, ou melhor na madrugada, 4 da manhã , fomos acordados por três bandidos dentro do meu quarto - de lá pra cá minha vida nunca mais foi a mesma, saí da estatísticas de que só acontece com os outros, e não desejo para ninguém o que passamos.
Este é o mundo em que estamos vivendo, Deus que nos proteja!Boa semana querida, bjs

Postar um comentário