terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Propaganda enganosa


Acho que a maioria das pessoas já ouviu falar na 25 de Março, Brás e Bom Retiro. Nesses locais, produtos como camisetas, lingeries, bonés, acessórios, perfumes e bolsas são vendidos no atacado e varejo. Comenta-se que os produtos têm boa aceitação, qualidade, além de preçinhos pra lá de baratos. Super aguardada, a tal Feirinha do Brás estarias na baixada para as compras de Natal.
No domingo, eu e cunhada vimos, por acaso no jornal, que a tal feirinha já havia começado no sábado e ficamos um tanto apreensivas. Justamente naquele domingo almoçaríamos em família.
-Almoçamos, deixamos os homens assistindo futebol na TV e vamos só as mulheres, sugeri.
Acabamos indo todos: eu, amore, pai e namorada, irmão, irmã, cunhado, cunhada e os dois sobrinhos, em dois carros porque não havia necessidade de cada qual ir no seu, já que teríamos de pagar R$ 10,00 de estacionamento.
Na entrada a recepcionista nos informou o valor do ingresso: R$ 5,00. Olhando ao redor percebi que as pessoas que visitavam a feira saiam de mãos vazias. Nada de pacotes, sacolas ou embrulhos.
– Só para eu entender: vamos ter de pagar para poder comprar, é isso?
São só cinco reais, rebateu a recepcionista.
Entreolhamos-nos, cada qual indagando em silêncio se compensaria ou não entrar. Não é pelo valor do ingresso, mas sim pela situação abusiva. Eu não preciso pagar nada quando vou ao shopping, à feira ou ao supermercado. Meu pai e a namorada, por terem mais de 60 anos, podiam entrar de graça. Assim, alheios às nossas dúvidas, trataram de entrar logo nos deixando para trás. Diante disso não tivemos outra opção a não ser segui-los.
Lá dentro, vários estandes de lojas e entidades sociais da baixada. Os artigos, aqueles que estamos acostumados a ver no comércio local, a preços nada atrativos: um vestidinho por R$ 89,90, bolsas de R$ 140,00, muito artesanato, bijuteria, docinhos, queijos e vinhos, tudo igual a tantas outras feiras que já havíamos visitado.
Cadê as roupas baratas, os eletrônicos, os enfeites de Natal, os calçados e outras coisinhas mais?
Os estandes não ocupados denunciavam a ausência dos expositores do Brás e adjacências. Quanta enganação para atrair um público que manifestava total indignação e perplexidade.
Dizia a mulher: ...não, não vou embora, já que paguei vou ver tudo que tem aqui.
Um grupinho de senhoras reclamava dos preços abusivos. Os homens sentaram-se na lanchonete à nossa espera e reclamavam da falta de artigos masculinos. Na barraquinha onde fui comprar docinhos de jaca [abafa, mas eu adoro jaca] comentei com o vendedor sobre a ausência do pessoal do Brás e ele explicou que estavam em outro evento e deveriam vir na segunda-feira. Manifestei minha decepção e ele, dizendo que era pra eu voltar outro dia, me presenteou com um par de convites.
Aceitei educadamente, sabendo que não voltaria. Enganaram-me uma, mas não iria haver segunda vez.
A brincadeira custou R$ 50,00 que poderiam ter sido gastos com coisa mais útil, né?

4 comentários. Para comentar clique aqui!:

Dani disse...

Oi Lili
que situação horrível

Tb odeio ser feita de idiota viu?
Iria ficar muito p#### da vida Hum!!!

bjinhus

Lilith disse...

poxa que chato hein???
horrivel quando isso acontece!!!

Beth disse...

Que absurdo.
Eu não conheço a tal feirinha da madrugada do Braz, sou do RJ, fiquei sabendo há poucos dias que ela existe. E fiquei muito curiosa, já sei de pessoas que foram e adoraram, fizeram mil compras. Estou me programando para em janeiro ir conhecer, aproveitando que o filhão agora mora em SP.
Mas isso que aconteceu com vocÊs foi péssimo, gastaram tempo e dinheiro à toa, seduzidos por um convite enganoso.
Lamentável.
Beijos!

Rogeria disse...

Querida duas amigas minhas foram nessa feirinha sabado passado e como vc voltaram decepcionadas, perdi a vontade de ir conhecer!
Bjus
Ro

Postar um comentário