quarta-feira, 23 de junho de 2010

Re-voltando

Faz algum tempo que me dediquei a comer o que tinha vontade sem me preocupar muito se esta atitude “pensada” teria como resultado uns quilinhos extras. O resultado não poderia ser outro.

A balança (até então relegada a segundo plano por falta de bateria) me mostrou que engordei.

Me desesperei? Esmurrei a parede? Saí como louca atacando a geladeira já que ganhei quilos extras e alguns mais não fariam diferença? Ene a ó til: NÃO! Simplesmente retomei minha caminhada rumo aos 68 kg.



Essa meta foi imposta por mim e não por outra pessoa. Me sinto bem como estou, porém quero muito pesar 68 kg. Mas não é uma neurose. É apenas um desejo para satisfazer meu ego. Para me sentir melhor.



Hoje posso entrar numa loja e escolher o que quero comprar porque as roupas me servem e ficam bem.



Então, chegar aos 68 kg é apenas um detalhe.



Daí que eu estava remexendo em velhos arquivos e encontrei essa entrevista com o professor, escritor e divulgador brasileiro de hatha ioga, José Hermógenes de Andrade Filho, mais conhecido como Prof. Hermógenes.



Creio que o que ele diz tem tudo a ver com essa neura de emagrecimento. Não estou com isso querendo me justificar diante dessa situação.



Quero apenas compartilhar minhas idéias e mostrar que, à vezes, corremos tanto em busca de um objetivo que nem é nosso de verdade, que simplesmente nos foi imposto.



O Professor Hermogenes disse que o ser humano está sofrendo de normose, a doença de ser normal.



Todo mundo quer se encaixar num padrão.
Só que o padrão propagado não é exatamente fácil de alcançar.
O sujeito 'normal' é magro, alegre, belo, sociável, e bem-sucedido.
Bebe socialmente, está de bem com a vida, não pode parecer de forma alguma que está passando por algum problema.
Quem não se 'normaliza', quem não se encaixa nesses padrões, acaba adoecendo. A angústia de não ser o que os outros esperam de nós gera bulimias, depressões, síndromes do pânico e outras manifestações de não enquadramento (compulsão, por exemplo)

A pergunta a ser feita é: quem espera o quê de nós?

Quem são esses ditadores de comportamento a quem estamos outorgando tanto poder sobre nossas vidas?
Eles não existem. Nenhum João, Zé ou Ana bate à sua porta exigindo que você seja assim ou assado.
Quem nos exige é uma coletividade abstrata que ganha 'presença' através de modelos de comportamento amplamente divulgados. Só que não existe lei que obrigue você a ser do mesmo jeito que todos, seja lá quem for todos. Melhor se preocupar em ser você mesmo.
A normose não é brincadeira. Ela estimula a inveja, a auto-depreciação e a ânsia de querer o que não se precisa.

Você precisa de quantos pares de sapato?
Comparecer em quantas festas por mês?
Pesar quantos quilos até o verão chegar?
Freqüentar terapeuta para bater papo?

Não é necessário fazer curso de nada para aprender a se desapegar de exigências fictícias.
Um pouco de auto-estima basta.
Pense nas pessoas que você mais admira: não são as que seguem todas as regras bovinamente, e sim, aquelas que desenvolveram personalidade própria e arcaram com os riscos de viver uma vida a seu modo.
Criaram o seu 'normal' e jogaram fora a fórmula, não patentearam, não passaram adiante.
O normal de cada um tem que ser original.
Não adianta querer tomar para si as ilusões e desejos dos outros.
É fraude. E uma vida fraudulenta faz sofrer demais.
Eu me simpatizo cada vez mais com aqueles que lutam para remover obstáculos mentais e emocionais, e a viver de forma mais íntegra, simples e sincera.
Para mim são os verdadeiros normais, porque não conseguem colocar máscaras ou simular situações.
Se parecem sofrer, é porque estão sofrendo.
E se estão sorrindo, é porque a alma lhes é iluminada.
Por isso divulgo o alerta: a "normose" está doutrinando erradamente muitos homens e mulheres que poderiam, se quisessem, ser bem mais autênticos e felizes.
Ser Feliz é ser você mesmo, sofrendo ou sorrindo, pois esta vida é passageira e o importante é ter emoções claras e definidas.



É isso ai...

9 comentários. Para comentar clique aqui!:

Daia.BSilva disse...

Ai ai, padrões e mais padrões. Mas assim... eu não "corro atras" de um padrao estético. Eu gosto de me sentir bem com qualquer roupa, poder entrar numa loja e ter facilidade em achar roupas que me sirvam, que me deixem elegante, gosto de não me sentir "apertada" dentro de casacos e pá... e acho que gente magra parece mais saudável... e não estou falando das esqueléticas!

Enfim...

Lilith disse...

oi querida, o importante é não desistir. Vai chegar nos 68kg, com certeza!
beijão
Lilith

Lyh Kirchner disse...

Nossa...
Nao quero ser 'normal' como todo mundo
Tava pensando exatamente nessa necessidade de emagrecer...mas nao quero sr um padrao, quero so me sentir bem, acho que assim vale ne?
Beijos

Noivinha Lú disse...

OI, FLOR! QUE BOM QUE VC ESTÁ TRANQUILA QUANTO AO SEU AUMENTO DE PESO! ASSI, VC RETOMA A RA E, SEM PRESSÃO, CHEGA AO PESO QUE QUER!
BJÃO

Dani disse...

Oi Lili, vc é mesmo uma querida ;D
Obrigada por todas palavras de carinho, gostei muito
Tão bom saber q sou querida e tenha certeza q vc é tb muito querida por mim e por muitas aqui. Obrigada mesmo!!

Vc está certíssima em não chorar o leite derramado e recomeçar. Tenho certeza q vc vai conseguir o equilíbrio de antes, se não já o conseguiu ;D
Torço muito por ti minha linda

Tenha um bom final de semana ;D

Bjinhus

Mili disse...

ótima essa matéria...tbm penso que o importante é nos sentirmos bem,não há padrão a ser seguido a não ser aquele em que nós mesmos sabemos daquele prazer/sensação de estarmos bem conosco!
Somos capazes de errar e retomar sempre...e vale a pena!
beijos e ótimo sábado.

Mi disse...

Lili obrigada pelo seu lindo e profundo recado.
Você é uma pessoa sensível e especial.
Tenha um ótimo domingo,
Bjs

Andrea Aoki disse...

Nossa que texto Li, eu fiquei encantada!!! Nunca tinha ouvido falar sobre isso, e é bem verdade mesmo, temos que parar e pensar "pra que isso? pra quem?" temos que nos agradar e não a um padrão, pq quando atingirmos tal meta de repente nem vamos nos sentir felizes pq não é a nós que iremos agradar e sim aos outros, qts pessoas emagrecem e não são felizes depois? Não sabem o que fazer, dizem que eram mais felizes antes, não é verdade?

Muito bacana mesmo esse texto!!!

Bjus e ótima semana!

Regina disse...

Oi flor
Estou seguindo vc a muito tempo e hj receber vc no meu cantinho me deixou muito feliz, seja sempre bem vinda querida...Eu nunca fui de seguir padroes, ou moda atual, eu gosto de me sentir bem comigo mesma, o meu emagrecimento tem como meta principal é a minha saúde, não quero ser magrela, quero ficar bem e feliz...Belo post este seu.
Uma linda semana
Beijosss

Postar um comentário